domingo, 28 de junho de 2015

O silêncio de uma mulher


O silêncio de uma mulher 

Não é Nada...

Xiça, como às vezes sou tão estupida, tão tonta, tão ingénua...

Como é possível que por vezes ainda me distraia nas minhas publicações considerando que sentem o mesmo que eu, ou que parcialmente vêem o mesmo que eu.

Como posso acreditar de forma tão sublime que os meus sentimentos vão ao encontro daquela pessoa...
Inteiramente burrice minha!
Mas... 

Não é nada...

Afinal quem criou as expectativas fui eu.. 
Eu é que pensei que visse..
Eu é que pensei que sentisse....
Eu é que pensei... 
Minha querida Carmen, a pensar morreu um burro, certo? Acordaaaa de nada te vale falar pelas entrelinhas, pois não entendem...
De nada te vale mencionar esta ou aquela letra daquela musica, a quem pretendes transmitir uma mensagem...
Yá gosta-se... mas não se lê.. não se escuta... não se sente! mas...

Não é nada...

Porque só tu e só tu sentiste alegria quando pensaste nessa pessoa, quando sentiste a necessidade de a compartilhar das mais variadas formas...

Mas não é nada...

Nao é nada, porque a pessoa não viu, não sentiu o mesmo que tu!!!
Acorda miuda!
De nada te vale passares um tema musical no momento até porque vai ser ou foi objecto de troça (bate-chapa... para bachata... deliciante) e só tu, mesmo só tu saiste magoada, mas...

Não é nada...

Não é mesmo, porque o que tu sentiste, só tu mesmo o sentiste, ninguém mais! só tu!

Então cresce miuda, abre horizontes, porque este combóio não ía parar na tua estação, e só tu criaste essa ilusão! mas...

Não é nada...

Avança porque como disseste ainda há dias, enquanto tu absorves tudo o que te rodeia, há pessoas que ficam á espera da alegria que virá, após a formatura, o casamento, o nascimento, lotaria, eleição, paz, tranquilidade, etc etc e essa mesma não chega porque não mora no futuro, mas... sim no agora!

Então, não é nada, certo?

Afinal a experiência pelo prazer de sentir carinho por alguém foi de facto hilariante, pois por "breves momentos" te sentiste feliz (no agora).

Então, não é nada...

E apesar de sentires posteriormente uma espécie de decepção estampada no teu rosto, não faz a menor importância até mesmo porque a desculpa do calor no alentejo serve para imensas respostas... quando não se quer responder ao que para ti, está evidente mas para os outros não! mas...

Não é nada...

Porque foste tu que viveste e não os demais, tu sentiste, por "breves momentos" (no agora) tu acreditaste.. sim, foi uma experiência agradavel que embora te deixasse posteriormente triste, percebeste que...

Não é nada...

Foste tu quem criou a ilusão, e recorda que por breves momentos tu te sentiste feliz e nem todos sentem ou estão à tua altura, Carmen!

Afinal...

Não é nada...
Porque se faço silêncio, é porque há muito barulho dentro do peito!


Carmen Dolores 28.03.2015

0 comentários:

Publicar um comentário